O LAGO DE CORUPUTUBA

A foto acima obtive em 1967 com a minha antiga Bieka. É o lago da Fazenda Coruputuba, em Pindamonhangaba.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Receita de paçoca - modelo urbano


PAÇOCA DO PAULO TARCIZIO (adaptada ao ambiente urbanizado)
 
Ingredientes:
1 kg de amendoim descascado
1 kg de farinha de mandioca
1 lata de leite em pó
½ kg de açúcar
1 pitada de sal (uma colher de café já está bom)


Modo de fazer:
1.      Ponha o amendoim para torrar numa assadeira em forno bem quente. Não precisa marcar hora. Pode ir fazer o que quiser, desde que seja em casa mesmo, onde você possa sentir o cheiro do amendoim torrando. De vez em quando, vá lá na cozinha e, com uma colher de pau, mexa o amendoim na assadeira. Vai estar pronto depois que já estralou bastante, alguns grãos soltaram a casquinha e já adquiriram uma bela cor de café com leite. Tire do forno e deixe a assadeira em um lugar ventilado para ir esfriando.
2.      Em vez de ficar morgando enquanto esperava o amendoim torrar, você bem que podia já ter preparado a farofa que vai ser misturada com o amendoim. Você podia ter feito assim: Numa vasilha grande (sei lá, pode ser uma assadeira grande, ou uma bacia, ou então numa lata de mantimentos, se vire!), bem, nessa vasilha você devia ter misturado a farinha de mandioca, o açúcar, o leite em pó e o sal, tudo muito bem misturado.
3.      O amendoim já esfriou? Então agora vamos tirar a casquinha. Isto deve ser feito na própria assadeira. Leve para uma mesa, sente-se, porque vai demorar. Com as pontas dos dedos vá apertando os grãos torrados, a casquinha vai saindo bem fácil. Este é um momento muito delicado, porque pessoas podem vir oferecer ajuda e fica difícil rejeitar. Mas atenção! certamente o maior interesse delas é mesmo ir de vez em quando catando um grãozinho e enfiando na boca. Isto não deve diminuir consideravelmente a quantidade de amendoins, mas vai dando em você a tentação de comer também. Mas enfim, eu não tenho nada com isso.
4.      A seguir, você vai precisar separar os grãos e as casquinhas já tiradas.  O único jeito é abanando o amendoim. Você não tem um quintal grande? Ou então o quintal é todo pavimentado? Então não tem jeito. Você vai ter que empregar o processo urbano. Vergonha, mas paciência. Pegue a assadeira e um ventilador e vá para a frente da casa, na calçada. Antes, peça ajuda de alguém, que deve olhar bem se não tem ninguém na rua. Isto deve ser feito à noite. Se estiver chovendo não dá certo, porque daí as casquinhas vão grudar em todo lugar. Feche todas as portas e janelas da frente da casa. Se todas as condições estiverem favoráveis ligue o ventilador no máximo (talvez você precise de uma extensão) e coloque a assadeira cheia de amendoim bem na frente do vento mais forte. O vento tem que ser dirigido da calçada para o meio da rua. Diante do ventilador vá apanhando punhados de amendoim, com as duas mãos, e deixando cair de novo na assadeira. Não tem erro: o vento vai tocar as casquinhas para o meio da rua. Vai ficar um horror, mas eu avisei que isto deve ser feito à noite, em altas horas. Paciência. Se estiver ventando vai ser melhor, porque no dia seguinte cedo as casquinhas já desapareceram. O problema maior acontece se o vento trouxer as casquinhas de volta para a sua casa. Lembre-se: eu avisei que tinha que fechar janelas e portas... Bem, mas o que interessa mesmo é que: não pode estar chuviscando e é melhor que na rua não tenha nenhum carro parado, senão o carro vai ficar todo grudado de casquinha, é chato.
5.      Vamos agora moer o amendoim. Coloque uma concha de amendoim no liquidificador, ponha a tampa (estou avisando) e ligue no máximo durante uns quinze segundos. É bom ficar chacoalhando o liquidificador (mão na tampa!), mas cuidado para não desacoplar o copo da base. Despeje o conteúdo (vai precisar cutucar com uma colher) numa vasilha grande. Aliás, você está vendo que tem que ter bastante vasilha grande.
6.      Depois que todo o amendoim estiver bem moído, misture com aquela farofa que você já tinha preparado e agora vai ter que bater tudo de novo no liquidificador, concha por concha, sempre despejando na vasilha definitiva. Prove! Deve ter ficado uma delícia.
7.      Antes de ir avisar a família de que a paçoca já está pronta, é melhor fazer uma limpeza geral na cozinha, lavar tudo. O liquidificador é bom deixar de molho com um pouco de detergente, que amanhã alguém lava. Se esse alguém vai ser você mesmo amanhã cedo, então melhor lavar já. De qualquer forma, o chão da cozinha certamente merece uma limpeza legal, porque senão ajunta formiga, ou então você fica pisando descalço naquela farofinha, é desagradável. Pelo amor de Deus, não tem casquinha de amendoim voando por aí, não é mesmo? Depois de tudo certificado, pode avisar a família. Melhor ainda, leve um potinho cheio de paçoca para cada um.
8. Quanto a oferecer ou não oferecer essa delícia às visitas que aparecerem nos próximos dias, tudo depende de você, nisto eu não posso opinar. Só acho que é bobagem. Uma paçoca tão gostosa, imagina, tem até leite em pó, vai ficar oferecendo, a cada vez observando que a vasilha está ficando com menos conteúdo. Bom, você que sabe. Bem feito se alguém, enquanto se delicia com a sua paçoca, ainda falar: Paçoca boa de verdade tem que ser feita no pilão!
*     *    *
Texto de PAULO TARCIZIO DA SILVA MARCONDES
Todos os direitos reservados
Nossa, que mentira! Como que a gente vai reservar direitos sobre receitas...
Bom, para não ferir a ética (e não engasgar com a paçoca), podem, por favor, mencionar o nome do autor?
Para dar o exemplo, deixo os créditos pelas fotos:
Paçoca: cozinhandocomprazer.spaceblog.com.br
Mulher ao pilão: byrata.blogspot.com