O LAGO DE CORUPUTUBA

A foto acima obtive em 1967 com a minha antiga Bieka. É o lago da Fazenda Coruputuba, em Pindamonhangaba.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Sons na cozinha

Faz bulha a chuva na calha
E no telhado.
O mais é silêncio, ainda
Nem muge o gado.

Mas há passos na cozinha
Junto ao fogão.
Na pia a torneira enchendo
O caldeirão.

Um passo errado que esbarra
Numa cadeira.
O fósforo que produz
A luz primeira.

Os gravetos que se quebram
Virando brasa.
A tampa que abana (e a fumaça
Enchendo a casa).

Crepitando a lenha chia
Bem levemente
E uma chaleira respinga
Na chapa quente.

Aroma e som: retorcido
Cai do coador
O café brilhante envolto
No seu vapor.

Depois no bule a colher
Dança cantando.
Canta um galo na distância
De quando em quando.

Tilintam xícaras, copos,
O fogo ruge.
Chove mais. Um rádio canta.
E o gado muge.

Poema de Paulo Tarcizio da Silva Marcondes
Livro TERRA VEGETAL - Reg. BN n. 133.608