O LAGO DE CORUPUTUBA

A foto acima obtive em 1967 com a minha antiga Bieka. É o lago da Fazenda Coruputuba, em Pindamonhangaba.

domingo, 28 de janeiro de 2018

Por onde passava o trem





Quem hoje passa pela Av. Dr. Francisco Lessa Júnior, a nossa “via expressa”, talvez não saiba que de primeiro o trem passava por ali. Isto antes da retificação da linha da Estrada de Ferro Central do Brasil na década de 1940. Com a retificação, vários trechos foram abandonados, mas seus vestígios permanecem.
Imagine um trem naquele tempo saindo da nossa Estação, indo em direção a São Paulo. Logo na passagem de nível da Rua Campos Salles, a linha já fazia uma curva fechada para a esquerda, tomando o rumo que falamos, da atual “via expressa”.
Puxa vida! Em 1970 ainda existia um trecho de linha, com trilhos, dormentes e tudo, no começo da “via expressa”. Terminava numa rampa destinada ao embarque de gado, acho que mais ou menos perto do atual depósito dos Correios.
O trem passava por trás da Igreja do Socorro, pegava a atual Rua Alcides Ramos Nogueira, que serve ao Shopping, ao Fórum, à Câmara e ao Real Ville. Nesse trecho, a ferrovia corria paralela à Estrada Velha e só se afastava para a direita na altura do final do Araretama, seguindo para Tremembé, atravessando o Rio Una por uma ponte no meio do mato.
Agora imagine o trem saindo da nossa Estação com destino ao Rio de Janeiro. No começo, ia seguindo o trajeto atual, passando nos fundos do Supermercado Maktub. Mas atrás do Sassaki já começava a se afastar para a direita. Hoje o leito abandonado virou rua: Rua Tribuna do Norte e, depois da rotatória do cemitério, Rua Francisco de Oliveira Linha, passando entre os dois cemitérios. Aliás o nome da rua foi dado em homenagem ao guarda da cancela, Sr. Francisco, que tinha o apelido de Chico Linha.
Então começava uma curva para a esquerda, atravessando a atual Av. Manoel César Ribeiro e atravessando o leito atual da ferrovia. Passava no espaço entre o terreno da Alcoa e o atual Castolira. Seguia pelos fundos da Sourcetech e começava uma enorme curva em “s”: entortava-se para o lado direito, cruzava em ângulo reto o traçado atual, entrava pelo terreno que hoje é da Confab e ali dentro iniciava a curva para a esquerda, aproximando-se de novo do traçado atual. Na ponte sobre o Rio Ipiranga já estava tudo certo e seguia para a Estação de Coruputuba sem maiores sustos.
Essa grande curva em “s” tinha o nome de Volta da Bananeira. Até ali chegavam os passeios que eu e meus irmãos fazíamos pelo meio dos eucaliptais quando morávamos em Coruputuba.

Pronto, agora pode acessar o Google Earth e conferir as marcas que o tempo antigo deixou no tempo moderno.

A “Volta da Bananeira” era uma dor de cabeça para os maquinistas da Central.

Nesse trecho, o trem precisava passar bem devagarzinho
***
Texto de Paulo Tarcizio da Silva Marcondes